Livros – Resenhas atrasadas em talvez um pouco mais de 140 caracteres, mas ainda assim bem rapidinhas.

12 01 2011

Nossa, faz tempo que não escrevo sobre livros! O que eu andei lendo? Vamos lá:

Bilionários por Acaso: Não há muito o que falar, narrativa lerda, antí-clímax bombástico, história interessante, mal escrito. Ah, vejam o filme, esse sim é sensacional.

A Cabeça de Steve Jobs: WOW. Esse sim é bastante interessante.. li em menos de 24h, conta a história da empresa mais descolada do mundo e como um dos gênios modernos pensa e aje. Lwitura rápida e necessária para fãs da Apple. Ou do Steve.

Desventuras em Série: Vários amigos vinham me falando desse livro, e eu sempre com a máxima: odiei o filme, não vou ler. Até que certo dia, olho pra ele e falo, taí.. vou ler. Li e gostei. É bem diferente do filme, e beeeeeeeem mais divertido. Rapidinho, são vários livros curtos. To no dois ainda.

A Sociedade do Anel: Eu tenho uma pequena resolução idiota: se eu ler todos os livros bons enquanto eu tenho 16 anos, quando tiver 32 não vai sobrar nada, daí fico procrastinando a leitura de livros como Senhor dos Anéis, 1984, e outros. Mas me rendi, cansei de esperar. Não posso falar muito, na verdade não posso falar nada, to no capítulo 2 ainda. Mas até agora tá bonito.

O Que se Passa na Cabeça dos Cachorro e outras aventuras: Mais uma tradução horrenda pra um livro genial, do colunista do The New Yorker Malcom Gladwell. Várias matérias dele sobre pequenos gênios, pequenas sutilezas e histórias que nos passam despercebidas no dia dia. Bem legal.

E .. chega.

Anúncios




O primeiro amor nunca se esquece…

17 04 2010

Já estou melhor, e de volta as atividades do blog, hoje estreando aqui a coluna do @MrCaio, simplesmente sobre a vida, o universo e tudo mais. Se não gostarem reclamem diretamente com ele. (;

Peguei ela com carinho, levantei e a coloquei no meu colo. Senti sua leveza, acariciei seu braço, passei a mão no seu corpo e vi o quão perfeito ele era. Sem um erro, sem um deslize. E lá estava eu, sentado em minha cama, com ela por cima e eu notavelmente feliz pela situação. Confesso, eu estava com sorriso bobo, aquele de garoto apaixonado. Veja bem, não é todo dia que um nerd cara aparece com uma dessas no colo. Ela era realmente espetacular. E então, decidido a começar aquele ritual e tirar o máximo possível de mim mesmo, pensei: O que vou fazer com essa guitarra?

Pois é. Eu sou um guitarrista fracassado. Nunca aprendi as 330 escalas e nem os 1800 acordes. O encantamento do “brinquedinho novo” acabou dois dias depois da aquisição da mesma. Hoje ela está num canto da sala, ainda se exibindo. Uma bela stratocaster.

Aí que ta, onde ela está apoiada? Em um mísero tripé preto. Esse pedaço de metal NÃO merece segurar o corpo de minha primeira amada! Que estilo isso pode me dar? Vamos e venhamos, um pedaço de metal com espuma na ponta NÃO é bonito.

E então, no momento em que uma lâmpada se acendeu acima da minha cabeça, surgiu minha ideia: UM OLIFANTE!

Por que não apoiar minha guitarra nos dentes de um MUMAKIL? Quer coisa mais estilosa que isso? Tolkien PURO. Meu sangue nerd ferveria tanto ao ver essa cena quanto ferveu quando joguei LOTR: Conquest ou Battle for Middle-Earth II. Seria o Magnum Opus do meu dia (ou não). Cruzar com uma obra prima dessas na minha sala me daria a certeza de que minha alma descansaria em valinor no fim de minha vida. E, pra melhorar, minha eterna paixão teria o descanso merecido.

É uma guitarra, é um apoio, é SENHOR DOS ANÉIS.

@MrCaio

(E lembrando, se você não reparou do lado direito, no meu twitter, me siga JÁ, @lucas114, e ainda hoje tem #ForaDaMinhaTV! – siga essa hashtag no twitter pra comentários exporádicos sobre o que está passando na tv)








%d blogueiros gostam disto: